Exportação de Dados do Fórum

Fórum

« Voltar para Sugestões para novos temas

Votando o Destaque: Direitos iguais

Compartilhe este tópico:
Tópicos [ Anterior | Próximo ]
Votando o Destaque: Direitos iguais
Resposta
20/06/12 19:23
-



Boa Vista, RR, em breve serão votados dois destaques do Anteprojeto Lei: Do Direito à Transparência Sobre Valores Orçados




Parágrafo Único do Art. 1º – Ninguém será privado do direito à igualdade, em uma congregação de pessoas, por motivo de crença ou doutrina imposta por estatuto que se registre em cartório, sobretudo no que se refere à aplicação da moeda corrente do país, não podendo o representante da pessoa jurídica impor que se leve a efeito uma transferência de valores, posicionando-se em uma congregação de pessoas situada em bairro, região, ou vicinal, como instrumento, ou meio jurídico, a cumprir o que determine um estatuto de doutrina registrado em cartório, em detrimento do que as pessoas que congregam na localidade, em número superior à metade, tenham decidido.



Art. 2º, § 3º – Será considerado transgressão do direito à igualdade, negar-se a sair de uma posição à qual se intitule a si mesmo para liderar, ou levar a efeito a transferência, de uma localidade para outra, de valores que sejam resultado da entrega de dízimos ou ofertas, sem estar de posse de autorizações válidas, escritas separadamente na sua composição, por cada pessoa dos que formam a maioria, na congregação de pessoas situada em bairro, região, ou vicinal, de onde queiram que os respectivos valores sejam transferidos ou não.



-



O DEBATE coloca em votação o Destaque: direito à igualdade



Quem vota SIM, confirma que onde houver pessoas congregando, seja em um bairro ou vicinal, essas pessoas têm o direito de escolher se o dinheiro vai permanecer na localidade onde congregam ou se os valores devem ser transferidos automaticamente; que é a escravidão instituída por doutrina imposta registrada em cartório. Ao exercer direitos iguais, as pessoas que congregam tornam-se dignas por não servir a homens, e passam a escolher se vão autorizar ou não a transferência dos valores.



Quem vota NÃO, concorda que só o representante da pessoa jurídica é que tem direito de escolher qual o destino do dinheiro.

Votar “Não” é renunciar ao direito de igualdade. E renunciar a isto é servir ao homem.





-